seprator

Gôndolas humanas

seprator
25junho 2021
blog_shape

Gôndolas humanas

Vivemos em gôndolas, e eu explico!   Na acepção da palavra, todo rótulo está associado a um produto e seria loucura fingir que não se vê isso. Tudo se rotula!   Os rótulos também fazem parte de uma outra manobra:   A justificativa! Fracassei porque fulano não me deu oportunidade, ou porque o mundo é injusto comigo. Ah, o cara se deu bem sem ter metade do meu know all porque tem networking ou teve sorte, bla bla bla...   Oras, por que temos o hábito congênito de evidenciar o caos?   Se o cara tem networking é porque é um sujeito bem relacionado, se tem metade do seu conhecimento e está à frente, não foi por sorte, pode ser que você passou anos debruçado em seu conhecimento sem se inovar.   Aliás, o que é sorte pra você? A habilidade de unir a oportunidade com a competência ou de ver o seu horóscopo todas as manhãs no afã de uma reviravolta do destino?   Uma geração mimimi pode ser velha também, não é exclusividade dos mais novos; tem tanto velho por aí criando expectativa em torno do que podem fazer ou não por ele, tanto trintão, quarentão e cinquentão que não sobe mais na árvore pra pegar fruto do pé porque prefere que a fruta caia no próprio pé por pura comodidade ou medo de cair da árvore   As verdadeiras virtudes fogem dos stories e dos tiktoks da vida, elas vivem no anonimato e geralmente são discretas, mas isso não significa fingimento, aliás, o politicamente correto é uma censura descarada de tudo o que falamos, pensamos, escrevemos... Tem muito indivíduo por aí sendo bonzinho por trás de um teclado e um exuzinho quando toma uma fechada no trânsito.   Fato é que hoje todo mundo quer ser tudo um pouco, e por vezes, no sentido de valorização moral, são nada mais nada menos que o muito de nada, todos são receptores, emissores e porta vozes da verdade.   E nessa “era de ofendidos” pisamos em ovos, quer dizer, temos que viver com o freio na língua em uma imensa castração analítica, onde temos que pensar na fragilidade ou no excesso de sensibilidade do outro como se fosse um transtorno social.   Estamos preocupados em sermos tratados como eternas crianças, carentes de atenção e de colo constante, talvez seja por isso que temos tanta dificuldade em receber um não como resposta.   Vivemos em gôndolas, com um temor terrível em ficarmos pra depois como os últimos a sermos vistos ou pior; de apodrecer até que alguém nos pegue e nos ponha no lixo.  

seprator

Social

shape
Copyright © Leitura Cura 2018. Todos os direitos reservados