seprator

Decifráveis, pero no mucho.

seprator
23abril 2018
blog_shape

É mais fácil entender o seqüenciamento genético do homem de Neandertal, ou até mesmo decifrar bula de remédio do que entender o que esses seres inebriantes do sexo feminino pensam…

“Esbarrei inusitadamente com ela na fila do cinema (ela, a minha ex peguete), e, inusitadamente, ela soltou a pergunta:

– Oi, tudo bem? Como você está? Veio acompanhado?

– Sim, minha namorada está na fila comprando pipoca.

– Ah sim, pipoca… Então tá, já to indo embora.

– Já? Indo embora do cinema?

– Não não, do shopping. Bom, seja feliz com ela!

“Seja feliz com ela???” Como é possível emanar uma frase dessas da boca dela? Como uma pessoa pode desejar à outra pessoa a felicidade sabendo que a felicidade da outra pode ser a sua infelicidade?”

Casos assim são comuns feitos IPVA ou IPTU. Quem disse que você nasceu pra entender o que se passa em uma mulher? Se não entende, compreenda… Ame!

As mulheres são mesmo um pacote de incertezas. Talvez um combo de mistérios ou até mesmo um kinder ovo de surpresas, vai saber… Escolha qualquer alternativa dessas e siga a vida, assim, sem achar que pode adivinhar o que está por vir… “Suponha”, no máximo.

E é aí que mora o perigo, suposições nos levam para um campo desconhecido onde não sabemos dar a direção para o próximo passo… Um passo em falso e você pode cair numa

armadilha de urso ou avistar uma linda lagoa com vitórias-régias e o reflexo do sol a resplandecê-la…

É pura loteria!

Mulher, mulher, mulheres…

Em minutos me pego a pensar em uma sensação de fragilidade e inocência em uma bela e enigmática fusão de contrastes. Pensando bem, de ingênuas elas não têm é nada… Isso sim!

Mulher é uma ideia que criamos em nossa cachola… São de vidro, são de Vênus, são de porcelana, são de histórias e ultimamente (muitas) são de borracha, mas, acima de tudo, são intuitivas, abrangentes, devotas e inseguras sem razão, influenciadas por um punhado de sentimentos, por um monte de sonhos e por um bando de bobão bancando o machão…

Mandam, desmandam, deliberam e despacham!

E o que dizer então desse lance de sexto-sentido? Sexto-sentido pra mim não faz nenhum sentido, mas eu tenho medo quando minha mãe diz com o sol rachando: “André, leva um agasalho que vai fazer frio”, e não é que faz?

Como elas adivinham (entre suas amigas) aquela amiga que dá em cima de você? Afe, sai pra lá “ôh coisa” divina!

É, amigos homens…

Mulher não tem definição, mas a primeira atitude que ela dá ao te conhecer é justamente uma definição!

Enquanto tentamos chegar a uma conclusão sobre o “certo ou errado”, elas concluem sobre o “pior ou melhor”.

Mulheres são definidas, assim, indefinidamente!

Nada é exato em uma mulher. Mulher é a exatidão do inexato! Tempos atrás, elas eram previsíveis e facilmente decifradas em beijos e abraços. Hoje, tudo se inverteu e o não óbvio passou a ser algo divertido e prazeroso quando o assunto é “conquistar um homem”.

E o que fazemos? Como entendemos? Por onde começamos?

Oras, comece por amá-las! (Já não disse isso?)

Mulher, mulher, mulheres…

Sonhar, amar e sofrer… Essas palavras sempre complementarão o texto de uma mulher… Seja ele um livro de penteadeira, seja ele um Best-seller!

E, aproveitando a metáfora, mulheres são assim: Compostas por alguma fragilidade, algumas centenas de parágrafos e muitas, mas muitas reticências… … … … … … … … …

Mulheres são infinitas, e o mais infinito disso é amá-las infinitamente!

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social

shape
Copyright © Leitura Cura 2018. Todos os direitos reservados